PITÁGORAS DE SAMOS

Não sabemos muito sobre a vida de Pitágoras, pois ao longo dos tempos esta figura foi envolvida pelo legendário, ficando difícil separar o histórico do fantástico. Provavelmente nasceu em Samos, entre 580 e 578 a.C., e faleceu entre 497 e 496 a.C.. Em Crotona, na Magna Grécia, fundou uma associação mais religiosa do que filosófica, no qual suas doutrinas eram mantidas em segredo. Pitágoras não deixou documentos escritos, e seus ensinamentos transmitidos oralmente eram guardados em segredo pelos primeiros discípulos, que também nada escreveram, por isso é difícil separar o pensamento de Pitágoras do pensamento dos pitagóricos.

De acordo com Pitágoras, a arché é o número, pois, ao observarmos o universo, percebemos a presença do número em todas as relações. Assim, o universo, em toda a sua complexidade, harmonia e extensão, desde a música até os fenômenos climáticos e astronômicos, pode ser traduzido, compreendido e mensurado pelo número.

Por isso, para Pitágoras, o número é a essência própria das coisas. Os pitagóricos acreditavam na realidade das leis que haviam descoberto, pois bastava para eles que fosse afirmada a existência da unidade para deduzir dela também a pluralidade, e acreditavam discernir a essência verdadeira das coisas em suas relações numéricas. Por isso não há qualidades, mas sim quantidades, no qual toda coisa nasce de dois fatores opostos, ou seja, dualismo, e o ponto de partida que permite afirmar tudo isso encontra-se na acústica, tendo em vista que a música é o melhor exemplo do que queriam dizer os pitagóricos, pois a música só existe em nossos nervos e em nosso cérebro, já que em si mesma compõe-se de relações numéricas quanto ao ritmo e quanto à tonalidade.

Uma das maiores contribuições dos pitagóricos é a significação do número e, portanto, a possibilidade de uma investigação exata em física, mesmo que fossem realizadas através de analogias fantasiosas. Exemplos: o simbolismo dos números pitagóricos, onde um é a razão, dois a opinião, quatro a justiça, cinco o casamento, dez a perfeição; ou então, um é o ponto, dois é a linha, três é a superfície, quatro o volume; e ainda na cosmogonia, que fala sobre o universo e os planetas esféricos, por conta da harmonia das esferas.

Outra grande contribuição dos pitagóricos é o famoso Teorema de Pitágoras, que trata sobre a relação matemática entre os comprimentos dos lados de qualquer triângulo retângulo, no qual a medida do quadrado da hipotenusa, representado aqui pela letra C, é igual à soma dos quadrados da medida dos catetos, representados aqui pelas letras A e B. Lembrando que esse teorema é aplicado nas ciências e na engenharia, pois os cálculos que envolvem relações espaciais e trigonometria têm como base esse teorema.

Teorema de Pitágoras

Autor: João Paulo Rodrigues

Referência:

Os Pensadores. Os Pré-socráticos. Trad. José Cavalcante de Souza. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

Deixe uma resposta